sábado, 17 de abril de 2010

Teatro e literatura

O SAPO QUE VIRA REI QUE VIRA SAPO – Texto de Ruth Rocha. Prólogo e direção de Emmanuel Santos. Bonecos de Gabriel Bezerra e dos alunos da Escola Municipal George Pfisterer. Manipulação: Jorge Crespo. Sapo que vira príncipe ao ganhar o beijo de uma princesa cria muita confusão no reino com os seus desmandos. Indicação: a partir de 2 anos. Teatro Sesi, Av. Graça Aranha, 1, Centro (2563-4166). Cap.: 350 pessoas. Dom., às 11h. R$ 20. Estudantes e idosos pagam meia. Duração: 40 minutos. Até 30 de maio.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Dia mundial do livro infantil

Hans Christian Andersen

A literatura infantil surgiu no século XVII, no intuito de educar as crianças moralmente.
Em homenagem ao escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, foi criado o dia internacional do livro infantil, que é comemorado na data de seu nascimento, 02 de abril; em virtude das inúmeras histórias criadas por ele.
Dentre as mais conhecidas mundialmente estão “O Patinho Feio”, “O Soldadinho de Chumbo”, “A Pequena Sereia” e “As Roupas Novas do Imperador”.
A data é conhecida e comemorada mundialmente, em mais de sessenta países, como forma de incentivar e despertar nas crianças o gosto pela leitura.
Tanto os clássicos da literatura infantil quanto os livros somente ilustrados, proporcionaram o desenvolvimento do imaginário das crianças, bem como o aspecto cognitivo, desenvolvendo seu aprendizado em várias áreas da vida.
As histórias reportam valores morais e éticos, que levam o sujeito a repensar suas atitudes do cotidiano, numa reflexão que pode modificar sua ação, tornando-a melhor enquanto pessoa.
Segundo Humberto Eco – escritor, filósofo e linguista italiano – a literatura infantil traz sentido aos fatos que acontecem na vida, envolvendo as crianças. Dessa forma, "qualquer passeio pelos mundos ficcionais tem a mesma função de um brinquedo infantil.
As crianças brincam com a boneca, cavalinho de madeira ou pipa a fim de se familiarizar com as leis físicas do universo e com os atos que realizarão um dia".
Todos os anos a Internacional Board on Books for Young People, oferece o troféu “Hans Christian”, como sendo o prêmio Nobel desse gênero, algumas escritoras brasileiras já foram homenageadas, como Lygia Bojunga, no ano de 1982, e Ana Maria Machado, em 2000.
Por Jussara de BarrosGraduada em PedagogiaEquipe Brasil Escola